terça-feira, 31 de julho de 2007

FAUNA

Estico, girafa, o meu pescoço
na direção do teu rosto...

Espreito, atenta águia,
a imensidão azul do teu olhar,
pouso, leve borboleta,
na flor entreaberta dos teus lábios...

Retiro, abelha, o mel da tua língua
e teço, aranha, o fio dos meus sonhos
no dorso nu
mural dos meus sentidos.


Arrepio-me, pássaro friorento,
sob as tuas asas-tendas...

Ronrono, gata preguiçosa,
no macio novelo do teu peito.

Marcho, formiga diligente
pelas intermináveis e floridas
trilhas do teu corpo.

Enrosco-me, cobra sibilante
em tuas pernas...

ao encontro de outra cobra,
que me espera...

1 comentário:

Tertuliante Gi disse...

ADOREI ESTE POEMA, MUITO SIGNIFICATIVO.
Gilberta